Júlio Negrão cedeu o “Espólio de Vida” ao municipio de São Brás!

20

Decorreu na passada sexta feira no Salão Nobre da Câmara de São Brás, a cerimónia de Cedência de Espólio de Júlio Martins Negrão ao municipio, uma iniciativa que foi enquadrada nas celebrações do Centenário.

Júlio Martins Negrão nascido em 1930, natural de São Brás de Alportel, autodidata caraterizado pelo de espírito inquieto, é um fervoroso defensor republicano e enamorado pela história de São Brás de Alportel e das suas gentes, que desde cedo escutou relatos vivos e emocionados dos são-brasenses, que viveram os primeiros anos de existência do Concelho.

Invadido desde sempre por uma sede insaciável por conhecimento, por saber mais e mais sobre a história dos sítios, sobre os hábitos e costumes das gentes e em especial pela terra do seu coração, São Brás de Alportel, Júlio Negrão desfolha com enorme carinho os seus bens mais preciosos, os livros, os jornais, as revistas, que coleciona desde tenra idade. Uma riqueza cultural inestimável, constituída por registos escritos e relatos orais de memórias de outros tempos, que vem agora partilhar com a comunidade são-brasense, mediante a cedência do seu espólio ao município.

Esta Cerimónia contou com a presença de Júlio Negrão, do Presidente da Câmara Municipal, Vítor Guerreiro, da vice-presidente da Câmara Municipal, Marlene Guerreiro, do presidente da Junta de Freguesia, David Gonçalves, bem como muitos são-brasenses que se juntaram a esta sessão.

Coube a Luís Guerreiro, destacado estudioso da história e cultura regionais, a apresentação do doador do espólio que testemunhou a entrega de uma vida aos ideais republicanos e a dedicação ao concelho de São Brás de Alportel.

Vítor Guerreiro encerrou a sessão enaltecendo o gesto de Júlio Negrão, “é esta atitude altruísta, esta vontade de preservar e valorizar o passado, esta capacidade de amar a sua terra de forma desinteressada, que caracteriza Júlio Negrão. Este importante legado, que tem sido ao longo dos anos alvo de consulta por inúmeros investigadores, será acarinhado e protegido da melhor maneira possível, levando para o futuro informações fidedignas sobre as raízes e identidade culturais são-brasenses”.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.