Faro no ranking dos municípios com maior Poder de Compra

17

Faro é um dos Municípios em destaque no estudo que o INE hoje disponibilizou, sobre o Poder de Compra Concelhio referente a 2013, com o objetivo de caracterizar os municípios portugueses relativamente ao poder de compra, a partir de um conjunto de 17 variáveis relativizadas pela população residente.

No Indicador per Capita do Poder de Compra (IpC), Faro obtém 132,3 pontos (Portugal = 100), obtendo assim a 4ª posição, apenas suplantado por Lisboa, Porto e Oeiras. Em relação a 2011, este estudo bienal revela que o nosso Município subiu uma posição, deixando para trás Sines.

Procedendo à análise nacional, o INE conclui que em 2013, o município de Lisboa apresentou o IpC mais elevado (207,9), mais do que duplicando o índice nacional, ficando à frente de outro município da área metropolitana de Lisboa – Oeiras, com 180,7. Em terceiro, aparece o Porto (169,9), logo seguido de Faro.

Por distritos, a Área Metropolitana de Lisboa (125,1) é a única região NUTS II com um valor acima do poder de compra per capita médio nacional. Para o Algarve, o valor (96,4) situou-se abaixo da média. As 3 restantes regiões NUTS II do Continente — Norte, Centro e Alentejo — registavam IpC de 92,0 para o Norte; 89,4 para o Alentejo; e 89,2 para o Centro.

Para o Município de Faro, que recebe este estudo com satisfação, estes números traduzem uma diversificação da economia local, hoje menos dependente dos serviços aqui acolhidos.

A eclosão de diversos negócios e a abertura de Faro ao Turismo trouxe novas fontes de receitas, mais emprego e outros efeitos multiplicadores, em várias áreas.

O esforço é, evidentemente, da população, que parece apostada em investir na mudança de paradigma económico de uma cidade até agora reconhecida apenas pela diversidade de serviços públicos oferecidos. À Câmara cabe prosseguir o rumo que se encontra traçado em termos de simplificação burocrática, ordenamento do território em bases de desenvolvimento sustentável, a par da preservação do património histórico/cultural e do fomento económico.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.