Ana Amorim Dias, apresentou “O que nunca um adulto te disse”

Livro de Ana Amorim Dias apresentado na Casa do Sal

11

Ana Amorim Dias, apresentou esta quarta feira na Casa do Sal, em Castro Marim, o seu livro “O que nunca um adulto te disse”, obra que promove o encontro entre pais e filhos, num diálogo aberto, descomplexado e honesto, onde são abordados temas como o amor, a escola e todos os relacionamentos humanos, mas também sobre como manter a segurança nas redes sociais, nas festas “e em tudo o que a vida tem de bom”.

 “O que nunca um adulto te disse”

“O que nunca um adulto te disse”

A apresentação, que contou com a presença de um público jovem e interessado, foi marcada pela “doçura” que se sente em todas as idades, numa dinâmica promovida por Ana Amorim Dias, para que o entendimento se facilite entre a vida de miúdos e graúdos.

Estiveram igualmente presentes, o presidente e a vice-presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral e Filomena Sintra, a “jovem irrequieta” que fascinou a autora e inspirou a obra, Sara Carreiras e o editor Manuel Fonseca, da “Guerra e Paz Editores”.

Ana Amorim Dias, escritora, advogada e empresária, é autora de vários livros, entre eles «Histórias do «(A)Mar» e «Zoia», e de mais de um milhar de crónicas publicadas em diversos jornais, revistas e publicações digitais. Mãe de dois rapazes e rendida ao fascínio que os mais novos revelam pela sua personalidade mais imprevisível e irreverente, agarrou o desafio de falar não só aos mais novos, mas também aos seus pais, avós, educadores, procurando um encontro entre as gerações, que promova mais comunicação, entendimento e amor e que traga mais clarividência nas escolhas, tão importantes na adolescência.

“Não acho que seja apenas mais um livro”, realçou na sua intervenção o presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral, “é uma obra que deve ser base de discussão e de diálogo em casa e na escola”, por ensinar a comunicar honestamente, a educar e ser educado, a sociabilizar. “Tudo pode ser dito, depende de como for dito”, realçou Ana Amorim Dias no mesmo âmbito. “Na escola tive disciplinas que não me fizeram falta nem a mínima diferença e hoje isso ainda acontece. Devia haver uma disciplina que preparasse os nossos jovens a gerir emoções, que trabalhasse a sua inteligência emocional”, concluiu o autarca castromarinense.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.