Portagens - Via do Infante - Algarve

Suspensão de portagens até final das obras na EN125

8

ACRAL exige a suspensão das portagens na Via do Infante e redução da tarifa de 50%, após conclusão das obras na EN125

Em nota distribuída às redações, a ACRAL exige a suspensão das portagens na Via do Infante, enquanto decorrerem as obras de requalificação da EN125 e a redução da tarifa em 50% depois do fim dos trabalhos, conforme foi prometido pelo atual Governo durante a campanha eleitoral.

“Vamos chegar à época alta e a EN125 ainda não foi requalificada: em muitos pontos do Algarve, as obras estão pura e simplesmente paradas ou então estão a decorrer a um ritmo muito lento”, alerta o presidente da ACRAL.

Com a EN125 em obras, considera Álvaro Viegas, “as empresas, os profissionais, todos quantos precisam de utilizar a estrada, têm de ser desviados obrigatoriamente para a Via do Infante – e isso traz custos enormes”.

Os meros utilizadores, acrescenta o dirigente associativo, “sabem quanto custa uma viagem entre Lagos e Faro: imagine-se os custos para um profissional, para quem tem de fazer essa estrada todos os dias, por vezes mais de uma vez por dia”.

Para o presidente da ACRAL, “as empresas não podem suportar os custos das portagens na Via do Infante: há um prejuízo objetivo para economia regional e isso tem de ser resolvido”.

A solução, defende Álvaro Viegas, “é a suspensão imediata do pagamento das portagens até à conclusão das obras de requalificação da EN125”.

Depois, acrescenta o presidente da ACRAL, “espero que o partido atualmente no Governo cumpra a promessa de reduzir em 50% a portagem na Via do Infante: era uma boa medida, para a economia regional mas também porque os políticos devem cumprir o que prometem – e esta foi uma promessa eleitoral”, conclui Álvaro Viegas.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.