Tribunal impõe reposição de serviços no Hospital de Portimão

7

A Administração Regional de Saúde (ARS) e o Centro Hospitalar do Algarve (CHA) vão ter de ropor todas a valências e serviços que encerraram no Hospital do Barlavento (Portimão), depois da decisão na passada quinta feira, do Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé, que deu provimento à providência cautelar, interposta por um grupo de cidadãos, com o apoio da autarquia de Portimão.

Segundo a Agência Lusa, o Tribunal considerou “totalmente procedentes, os motivos apontados pelos signatários da providência cautelar, obrigando as entidades responsáveis pela gestão da saúde a reporem todos os serviços e valências que tenham sido desativados naquele hospital e a cessarem a transferência de valências, de serviços, de médicos e de enfermeiros para o Hospital de Faro”.

Para Isilda Gomes, presidente da Câmara Municipal de Portimão, a decisão judicial “trava a delapidação que estava ser feita na assistência à saúde no hospital de Portimão, com prejuízo para as populações e para a região turística mais importante do país”.

A decisão judicial impede, ainda, atos que “obriguem”  médicos e enfermeiros das urgências médico cirúrgicas daquelas especialidades que prestam serviço no hospital de Portimão, de se deslocarem de forma habitual ou permanente, ao hospital de Faro para realizarem serviços de urgência médico cirúrgica nas referidas especialidades.

A Administração Regional de Saúde do Algarve, contactada pela Lusa não fez quaisquer comentários, aquardando-se uma resposta pública de qualquer das duas entidades, no sentido de esclarecer as respetivas posições, relativamente à decisão judicial e ao seu cumprimento.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.