Consumidor Português mais confiante e otimista

Consumidor Português mais confiante e otimista

6

A confiança do consumidor português é a mais elevada de sempre, revela o relatório da Nielsen, “Estudo Global de Confiança dos Consumidores” referente ao 4º trimestre de 2016.

Segundo os dados divulgados pelo relatório, o Índice de Confiança dos Consumidores Portugueses subiu 8 pontos face ao período homólogo, atingindo 74 pontos, o valor mais alto desde sempre em Portugal. O nível de confiança nacional ultrapassou o registado em países como a Finlândia (68), a França (66), a Rússia (63), a Itália (58) e a Grécia (53). A UE registou 81 pontos e a média global alcançou os 101 pontos.

As percepções dos consumidores portugueses têm vindo a melhorar significativamente: 36%, +10pp face ao período homólogo, não consideram que o seu país está em recessão económica e 17%, +6pp face ao períogo homólogo, acreditam numa recuperação económica durante os próximos 12 meses.

Para além disso, 23% dos portugueses mostram boas perspectivas no que se refere à sua situação profissional para os próximos 12 meses, com uma melhoria de 8pp face ao período homólogo e 36% estão confiantes em relação à sua situação financeira (+7pp face a 2015). No final de 2016, os portugueses mostravam-se especialmente otimistas e, por isso mesmo, mais disponíveis para o consumo: 25% consideram que os próximos 12 meses serão uma boa altura para comprar aquilo que querem ou de que necessitam, +5pp face ao período homólogo.

A percentagem de inquiridos que revelam que não lhes sobra dinheiro após as despesas essenciais é cada vez menor, 21% em 2016 face a 38% em 2013. Deste dinheiro excedente, 47% dos portugueses aproveitam para fazer algumas poupanças, um valor muito acima da média europeia – 36% e 11% admitem investir num fundo de reforma. Para além das poupanças, os portugueses mostram ainda maior disponibilidade para atividades de lazer: 25% utilizam o dinheiro excedente em entretenimento fora de casa, um valor cada vez mais próximo ao da média europeia, e 19% aproveitam para fazer férias.

Comparativamente ao ano anterior, as questões de foro pessoal ganham agora maior relevância para os consumidores portugueses face às preocupações de ordem macroeconómica relativas à situação do país. “Há um ano, a situação política nacional era mais instável e a incerteza tomava conta das principais preocupações do consumidor português. Agora mais confiantes, os portugueses passam a preocupar-se especialmente com questões mais pessoais, nomeadamente o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, a saúde e a família. Já os europeus continuam a mostrar como principais preocupações o terrorismo, a economia e a segurança profissional. Esta visível melhoria de confiança dos consumidores portugueses, habitualmente pessimistas, poderá ser uma boa notícia para o consumo nacional”, refere Ana Paula Barbosa, Retailer Services Director na Nielsen.

Fonte: Nielsen




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.