Artesanato é tema de conversa em 3 tempos !

7

O Projeto Tasa está a promover a segunda “Conversa em 3 Tempos”, que terá lugar no próximo dia 18 de Outubro, na CECAL (Casa da Cultura de Loulé) e que abordará as questões que estão na ordem do dia relativamente ao artesanato, às dificuldades, às soluções e aos bons exemplos. O lugar do artesanato no nosso tempo e os novos usos e costumes, são alguns dos temas postos à discussão nesta segunda “Conversa.

À volta da mesa estará a artesã do linho Otília Cardeira, o delegado regional do IEFP Carlos Baía, dois arquitetos do estúdio AMATAM, o empresário João Amaro da Tertúlia Algarvia e Conceição Amaral do Museu-escola das artes decorativas portuguesas, aguardando-se a confirmação da participação de Rosa Pomar, a investigadora e empresária dos lanifícios e têxteis, e também autora do blogue “A ervilha Cor de Rosa”.

A conversa que acontecerá às 18h00 no Cecal/Casa da Cultura de Loulé, insere-se no evento Ligações – o artesanato ligado ao futuro, no âmbito do projecto TASA – Técnicas Ancestrais Soluções Actuais.

A entidade promotora é a Câmara Municipal de Loulé e a organização está a cargo da ProActive Tur que conta com a CCDR Algarve como parceira e organizadora e tem o apoio da Casa da Cultura de Loulé e do Cria (UALG).

O Projeto TASA

[box type=”note” align=”aligncenter” width=”610″ ]O Projecto Técnicas Ancestrais, Soluções Actuais (TASA) centra-se na inovação estratégica do produto artesanal, através de uma consultadoria em Design junto de artesãos e iniciativas empresariais com produção artesanal sediadas no Algarve.

Deste modo, pretende-se re-apresentar o artesanato regional à população e ao mercado com uma nova imagem e perspectiva comercial.

A concepção do projecto tem a sua génese na cultura tradicional regional, concentrando-se nos materiais, técnicas, saberes e fazeres locais, ou em interpretações contemporâneas dos mesmos – sem prejuízo da integração de novas tecnologias e atitudes.

A execução do projecto decorre de modo transversal no Algarve Rural, alargando o espectro da intervenção a diferentes práticas, com o objectivo de potenciar sinergias entre a produção artesanal, as instituições e o sector comercial.[/box]




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.